OUTUBRO LMS 580 GLF
AMIGAO SENTINELA PRODUTIVA GLF
OUTUBRO LMS 970.... GLF
LUIZINHO MATÉRIAS
SONORA OUTUBRO
DROGARIA DOS AMIGOS 970 X 250
DROGARIA DOS AMIGOS GLF
PH LANCHES
JUSTIÇA

Adélio Bispo, interrogado em Campo Grande, recusa delação premiada

Em depoimento hoje, Adélio Bispo recusou delação dizendo que não tinha nada acrescentar sobre esfaqueamento de Jair Bolsonaro

01/11/2019 13h28
Por: Campo Grande
Fonte: JE
DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
Adélio Bispo de Oliveira, preso por esfaquear Jair Bolsonaro (PL) durante a campanha eleitoral de 2018, prestou depoimento hoje à Polícia Federal e se recusou a fechar acordo de delação premiada porque não tinha nada a falar além do que relatou. Ele foi ouvido na Penitenciária Federal de Campo Grande.
 
Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, Adélio foi interrogado pelo delegado Rodrigo Morais, da superintendência da PF em Belo Horizonte. Ele é responsável pelo inquérito que apura existência de comparsas ou mandantes do ataque ocorrido em Juiz de Fora (MG).
 
Ao fim do interrogatório, foi oferecida a chance de falar em acordo de colaboração premiada, mas Adélio rejeitou a hipótese. Ele disse manteve a versão que agiu sozinho e negou que atentado tenha sido encomendado.
 
Além de Adélio, o delegado também ouviu outro interno, que disse ter ouvido o esfaqueador confessar que teria conexões com facção criminosa e com políticos. O preso é o iraniano Farhad Marvizi, que enviou carta a Bolsonaro, narrando ter dados que poderiam esclarecer o episódio. Esse relato não teria sido de conhecimento dos investigadores Marvizi disse que teria ouvido os detalhes do próprio Adélio, quando estiveram juntos na ala médica da penitenciária.
 
iraniano disse que teria sido prometido R$ 500 mil ao esfaqueador para matar o então candidato, mas não teria dito o nome do mandante.
 
Conforme reportagem da Folha, o iraniano é visto como pessoa que sempre busca estratégia para conseguir liberdade ou redução de pena.
 
Adélio negou que tivesse feito qualquer confissão ao iraniano e manteve a versão de que não teve ajuda no atentado. Na avaliação da PF, as declarações só ajudaram a descartar a carta enviada a Bolsonaro como fonte de pistas.
 
O esfaqueador recebeu da Justiça a chamada absolvição imprópria. Ele é comprovadamente autor do crime, mas não pode ser responsabilizado penalmente, já que foi declarado inimputável por ter doença mental. O juiz Bruno Savino, da 3º Vara da Justiça Federal em Juiz de Fora, determinou que Adélio cumpra medida de segurança por tempo indeterminado.
 
Por: Silvia Frias
Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
ART CRIL ARRANHACÉU

DROGARIA DOS AMIGOS 300 X 600
DROGARIA DOS AMIGOS 300 X 600 25 ANOS
OUTUBRO LMS
SENTINELA 300X600
PRODUTIVA PRODUTOS AGRÍCOLAS
SENTINELA 300X250
APLA VISAO
PRODUTIVA PRODUTOS AGRÍCOLAS
OUTUBRO LMS GLF
PRODUTIVA PRODUTOS AGRÍCOLA
Municípios
OUTUBRO LMS GLF
Últimas notícias
OUTUBRO LMS GLF
MARCELO CONTABILIDADE
Mais lidas
OUTUBRO LMS GLF
OUTUBRO LMS GLF