LUIZINHO MATÉRIAS
PH LANCHES
OUTUBRO LMS 970.... GLF
DROGARIA DOS AMIGOS GLF
AMIGAO SENTINELA PRODUTIVA GLF
SONORA NOVEBRO 2019
DROGARIA DOS AMIGOS 970 X 250
COMUNICAÇÃO FUST

Telefonia móvel e banda larga podem entrar nos recursos do FUST

PL quer acrescentar outros serviços de telecomunicações ao fundo; FUST foi criado para universalizar serviços de telefonia fixa, hoje em desuso com o crescimento de celulares e internet

Tecnologia e games

Tecnologia e gamesTudo sobre tecnologia e games em um só lugar!

29/11/2019 08h38Atualizado há 7 dias
Por: Campo Grande
Fonte: ASSECOM
REPRODUÇÃO
REPRODUÇÃO

O Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (FUST) pode ter agora uma nova destinação. Criado inicialmente para levar serviços de telefonia fixa para todos os brasileiros no ano de 2000, o Fundo pode incluir agora os serviços de telefonia móvel e de banda larga. A proposta do PL 1293/2019, de autoria do deputado Marcelo Ramos (PL-AM), quer transformar o FUST em um fundo de aval de empréstimos para implantar, ampliar e modernizar redes de telecomunicações.
 
Segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), divulgados em agosto deste ano, o Brasil tem hoje mais celulares ativos (230 milhões) do que habitantes (210 milhões) no país. O número de telefones fixos em uso nesse mesmo período foi de 35 milhões.
 
“O grande problema do FUST é que ele foi criado para ser aplicado na telefonia fixa na época. Como a telefonia fixa alcançou as pessoas que queriam ter esse serviço, a demanda foi atendida. Então, com isso, a aplicação do FUST para telefonia fixa ficou prejudicada porque já não existia mais demanda”, explica o conselheiro da Associação Brasileira de Telecomunicações (ABTelecom), Márcio Patusco, acrescentando que, por esse motivo, os recursos ficaram contingenciados.
 
Com a banda larga, o número chegou a 32,5 milhões de acessos nas residências dos brasileiros – em 2018, o País ocupava a 6ª posição mundial, perdendo somente para países como China, EUA e Japão. “Em banda larga, onde é a intenção de se aplicar o FUST, tem insuficiência principalmente no Norte e no Nordeste do Brasil. É interessante que se possa aplicar esse fundo principalmente nessas regiões – embora ele seja insuficiente para a tarefa que a gente tem de levar a universalização da banda larga a todas as residências do Brasil”, avalia Patusco. Hoje, o FUST rende em torno de R$ 1 bilhão por ano.
 
Nas contas do conselheiro, para que esse serviço atingisse todas as regiões, seria necessário muito mais que a verba do FUST. “Levaria dezenas de anos para se fazer a universalização da banda larga somente com o FUST. Mas, sem dúvida nenhuma, é uma parcela importante”, afirma.
 
Modernização

Para Marcelo Ramos, autor do PL na Câmara dos Deputados, o FUST perdeu o verdadeiro significado. “O FUST gera um custo a mais nas contas de telefone de todos os brasileiros, mas, infelizmente, virou um fundo utilizado única e exclusivamente para fins de superávit primário.”  Ele explica que a intenção não é retirar essa função de superávit primário, mas transformar o fundo em um aval e levar tecnologia para quem mais precisa.
 
“As empresas operadoras de telefonia teriam dinheiro retirado do FUST a juro subsidiado para montar a infraestrutura de telecomunicações em locais que não têm viabilidade econômica para o serviço. Então o FUST não perderia a função de superávit fiscal porque o dinheiro não seria fundo perdido, ele seria pago pelas empresas, e nós criaríamos condições para que as empresas, a juros baixos, conseguissem instalar a infraestrutura em áreas inóspitas”, diz.
 
Segundo Ramos, o estado do Amazonas ainda é carente dessa infraestrutura. “O interior do Amazonas não tem quase nada de cabeamento de fibra ótica. É um custo muito alto que não tem sentido para a iniciativa privada fazer, porque a quantidade de pessoas nos municípios não justificaria o investimento. No momento em que você disponibiliza recursos a juros baixos, você permite que essa infraestrutura seja feita de forma subsidiada e, ainda que a praça do município não seja uma praça viável economicamente, eles vão ter melhoria na qualidade do serviço”, acredita o parlamentar.
 
Ainda de acordo com dados da Anatel, o acesso à tecnologia por meio da fibra ótica cresceu 6,62% entre 2007 e 2019, mas quase 10% da população ainda não conta com a presença desse tipo de cabeamento. Amazonas está na vice lanterna, com cerca de 60% dos municípios sem a presença da fibra – o que diminui também a presença de banda larga e o alcance da telefonia móvel nessa região.
 
“Hoje, nós temos lacunas muito grandes. Os atendimentos às classes sociais C, D e E ainda são muito precários, em todos os serviços – não é só em banda larga, é também em telefonia, telefonia celular e em outros serviços. A gente ainda precisa caminhar muito, principalmente as áreas Norte e Nordeste do Brasil, que são muito mal atendidas em termos de telecomunicações”, alerta Márcio Patusco.
 
Histórico

Embora instituído somente no ano de 2000, o Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (FUST) foi idealizado ainda em 1997, quando foi aprovada a Lei Geral de Telecomunicações. A ideia, na época, era que a criação do FUST assegurasse a oferta de serviços de telecomunicações às populações de baixa renda, instituições públicas de ensino, estabelecimentos de saúde, órgãos de segurança pública e regiões geográficas onde a exploração econômica do serviço se mostrasse inviável para as grandes concessionárias, tudo isso de forma gratuita ou a preços mais razoáveis.
 
Optou-se, então, pela criação de um fundo formado por recursos que viriam, basicamente, de contribuições pagas pelos próprios assinantes dos serviços de telecomunicações. Porém, a LGT e outras normas aplicáveis naquele momento limitaram o uso do FUST somente a projetos de universalização do Serviço Telefônico Fixo Comutado, também conhecido como telefonia fixa. Com o crescimento da telefonia móvel e da banda larga, o uso do FUST em investimentos para telefonia fixa se tornaria inviável com o decorrer do tempo.
 
Com o PL, a ideia é transformar o FUST em Fundo de Universalização e Massificação dos Serviços de Telecomunicações e ampliar a oferta dos serviços de telecomunicações de acordo com a realidade de hoje.
 
Tramitação

O projeto de lei 1293/2019 foi apensado PL 7249/2017, que se encontra na Mesa Diretora da Câmara dos Deputados.

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
SENTINELA 300X600

OUTUBRO LMS
DROGARIA DOS AMIGOS 300 X 600
ART CRIL ARRANHACÉU
DROGARIA DOS AMIGOS 300 X 600 25 ANOS
PRODUTIVA PRODUTOS AGRÍCOLAS
SENTINELA 300X250
PRODUTIVA PRODUTOS AGRÍCOLA
APLA VISAO
PRODUTIVA PRODUTOS AGRÍCOLAS
OUTUBRO LMS GLF
Municípios
OUTUBRO LMS GLF
Últimas notícias
OUTUBRO LMS GLF
MARCELO CONTABILIDADE
Mais lidas
OUTUBRO LMS GLF
OUTUBRO LMS GLF